07/12/2017 12h44 - Atualizado em 07/12/2017 17h44

Escolas Estaduais recebem o “Prêmio Ecologia 2017”

Duas escolas estaduais receberam, na manhã desta quinta-feira (07), a entrega do Prêmio Ecologia 2017. Em sua 17ª edição, o evento teve como tema “Soluções e Inovações Ambientais”. A cerimônia de premiação aconteceu no Salão São Tiago, no Palácio Anchieta.

O primeiro lugar da categoria Educacional (Ensino Fundamental e Médio) foi para o projeto “Caracterização ambiental de resíduos e equipamentos eletrônicos”, da Escola Estadual Doutor Francisco de Freitas Lima, de Vila Velha e o segundo lugar ficou com a Escola Estadual Almirante Barroso, de Vitória, com o projeto “O mel da abelha sem ferrão e a importância econômica que ele tem para a sociedade”.

As categorias trabalhadas neste ano foram: pesquisa (graduação e pós-graduação), experiências de sucesso (urbano e rural), educacional (ensino fundamental e médio) e municípios sustentáveis.

De acordo com o diretor da Escola Estadual Doutor Francisco de Freitas Lima, Guilherme Gabler Cazeli, a escola ficou muito feliz por ter conquistado o primeiro lugar.

“Quando surgiu a proposta do projeto, não existia uma pretensão ao prêmio. Mas com a importância do projeto, fomos levados por dois anos a escrever sobre ele. Para os alunos, essa experiência foi enriquecedora e também o convívio que eles tiveram semanal com os produtos recicláveis trabalhados dentro dessa ação, além dos metais nobres que foram retirados dos equipamentos utilizados, que pode promover a reutilização e caracterização dos resíduos dos produtos eletrônicos”, afirmou.

Para a diretora Ana Beatriz Ribeiro Ferreira da Escola Estadual Almirante Barroso, este é mais um prêmio que a instituição ganha, que mostra o valor de uma educação de qualidade. “Neste mês de dezembro, nossa escola foi presenteada três prêmios diferentes. Realizar projetos como este é extremamente importante. Tivemos a parceria de diversas pessoas da comunidade local e fizemos uma interação com uma escola de educação infantil, onde nossos alunos puderam trabalha com as crianças, sobre o mel das abelhas sem ferrão. Houve um envolvimento muito grande das turmas e, proporcionar isso para os estudantes é dar a eles a oportunidade de expandir seus conhecimentos”, afirmou a diretora.

Programa de Educação Ambiental

Na ocasião, também foi lançado o Programa Estadual de Educação Ambiental, construído pelo Órgão Gestor da Educação Ambiental, formado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos e pela Secretaria de Estado da Educação.

O Programa tem como objetivo orientar os atores sociais que executam a Educação Ambiental, para que realizem ações com os parâmetros estabelecidos pelo Órgão Gestor em diálogo com a sociedade e que essa tenha acesso a uma política pública construída por ela e para ela.

Sua elaboração foi fruto de um amplo processo participativo e democrático, que contou com a participação dos municípios em diversas oficinas e seminários, que contaram ao final com a participação de mais de 2 mil pessoas da sociedade civil, setor produtivo e poder público.

O Programa Estadual de Educação Ambiental garante a adequada implementação da Política Estadual de Educação Ambiental, estabelecida pela Lei Estadual nº 9265/2009.

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação / SEDU
Vivian Camargo / Flávia Zambrone / Gustavo Pereira
Texto: Emanoele Rocha

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard